quarta-feira, 16 de agosto de 2017

ciclovia

Foto: Igor Ravasco

o caminho é sempre de pedra,
pois não há sonho no asfalto.
e numa vida sem roteiro,
talvez o primeiro
seja arriscar,
porque a vara que mede
não é a mesma que pesca,
road trip de bike,
pescaria de ideias, de emoções...
as sensações batendo no rosto
como se fossem o vento,
o vento embalando o sonho...
sonho meu, sonho nosso,
o que eu quero e o que eu posso
é não parar de pedalar

I.R.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

quinze minutos de claustrofobia

na arte da viagem,
de onde sai um, entram três,
os corpos unidos, colados,
compartilhando o hálito
e as câimbras,
os cheiros, os suores,
aquele silêncio incômodo...
e um estar só,
sem estar sozinho...
poucos quilômetros
que são uma maratona,
corrida matutina
sem espaço,
sem ar,
sem dignidade...
na arte da viagem,
não há arte,
há capitalismo selvagem
e claustrofobia.

I.R.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

poemas de amor

não posso escrever poemas de amor,
nem cartas de amor
ou canções apaixonadas...
não se trata de ter medo
ou descrer dos contos de fadas...
não posso.
prefiro a conversa ao pé do ouvido,
seu perfume, seu abraço amigo...
eu com você e você comigo.
talvez eu possa,
mas não quero escrever poemas de amor.
prefiro seu calor
e tudo de bom que você me traz

I.R.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

tô à toa

tô à toa,
em posição de loto
deitado no mato...
tô curtindo o recato,
vivendo o recanto...
tô à toa,
da mudez do cracatoa
à nudez disposta em ato.
tô à toa...
na ponta da flecha,
na ponta da língua,
afiei meu curare

I.R.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

ojo de poeta

Foto: Ruben Gelati

ojos poéticos se multiplican
por sobre las rejas,
y sobrepasan las duras puntas
que hieren,
lanzas puntiagudas que lastiman...
ojos poéticos se abren en colores,
y tal vez suavicen la realidad...
o los dolores...
tal vez simulen
o emulen una verdad...
ojos poéticos se multiplican
como agujeros negros,
que están por ahí, que existen,
pero no logramos saber
exactamente para qué

I.R.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

na fala

na fala que flui como um rio,
eu rio quando você sorri.
e se não estamos sós,
e se estamos com...
compartilha, soma,
não verdade e resignificação.
na fala que flui como um rio,
há selfies e fotos sem flash

I.R.

sábado, 8 de julho de 2017

do acaso

Foto: Igor Ravasco

roda o moinho que abraça o vento,
meu cata-vento que canta
por um caminho de mãos dadas
em ruas empedradas.
tudo é por acaso,
menos o significado que lhe dou

I.R.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

claridade

mudanças de plano aplicadas
a partir da alegria,
geram o desejo
de registrar este dia,
enquanto a manhã clareia,
e o sol ressurge,
como pano de fundo,
no rio da prata.
nem simples nem profundo,
simplesmente vivo.
vivo e sou.
e o sol clareia
minhas ideias claras

I.R.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

madrugada de jueves

caritas y 'carotas',
pero no caretas,
sin etiquetas, solo franquezas...
fortalezas y debilidades,
intensidades,
que nos unen en esta experiencia.
no hay manual, no hay ciencia,
solo las ganas de abandonar la caverna

I.R.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

indivisível

a vontade de agir
é o princípio da ação,
e o principal é não me dividir
entre cérebro e coração,
porque o que a biologia uniu,
a literatura não separe...
o de dentro, o de fora,
o que mostro e o que guardo,
é tudo parte do todo,
minha bagagem, não meu fardo

I.R.