terça-feira, 30 de agosto de 2016

viver

na alegria e na tristeza,
na saúde e na doença.
sozinho, acompanhado,
à toa ou atarefado,
na riqueza e na pobreza,
na abundância de dúvidas,
a única certeza:
não importa o que tenho
nem se vou nem se venho
só sinto que viver é bom

I.R.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

transitória

Foto: Luiz Bhering

transito a arte
como um pedestre,
não como condutor.
arte efêmera,
imaginária, inconsciente
nem sempre coletivo...
transito o transitório,
pequeno envoltório
que me desarticula,
arte que gesticula
e salta das paredes...
transito a parte,
o ouro de tolo,
o todo não é para mim

I.R.

domingo, 28 de agosto de 2016

eletro

Foto: Sergio Ceribino

na linha, o desalinho,
transporte de energia,
pilha gasta,
220 ligado em 110,
sem transformador...
na linha, as linhas,
diversidade de caminhos,
abastecimento,
energético, alimento...
e meus postes,
que não resistem
às fracas tempestades,
parecem de concreto armado,
mas, na verdade, são de papel.

I.R.

sábado, 27 de agosto de 2016

felinamente

tenho poemas em preto e branco
e versos em tons de cinza...
já quis ser diferente,
mas sou um descrente,
que dá murro em ponta de faca.
insisto, repito,
descubro, encubro...
repito, encubro...
tapo com pedrinhas
antes de voltar a miar.

I.R.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

árvores de inverno

Foto: Igor Ravasco

gosto de árvores de inverno,
árvores desfolhadas,
como uma fênix vegetal,
metáfora do renascimento...
gosto de árvores de inverno,
que não dão sombra,
que não dão frutos,
árvores que parecem veias
irrigando o céu...
gosto de árvores de inverno
e daquela última folha,
que, como um simbolo de resistência,
ou de resiliência,
teima em não cair.

I.R.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

apenas palavras

palavras soltas ao vento,
porque toda palavra dita está solta,
mas nem sempre é livre...
palavras que voam,
que navegam,
com ou sem destino...
palavras de menino
e de homem feito...
palavras de um imperfeito
em busca de porto,
de aeroporto...
palavras de guarulhos,
de silêncios e barulhos,
palavras de cumbica e de galeão,
palvras que buscam um cais,
um desembarque feliz,
uma pista...
onde fazer um pouso alegre.

I.R.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

astros celestes

Foto: Rene Leal

os movimentos,
ora lentos, ora agitados,
vão além de um estado de espírito,
independem de um estado de humor.
são um estágio de amor à arte,
é a liberdade que nasce da vontade,
que parte de um mistério nada secreto,
acessível a todos, descoberto por poucos...
dançar é se comunicar com o universo
num movimento cósmico,
como um abalo sísmico,
sístole e diástole sideral...
e o corpo, brilhando como estrela,
indica o norte,
como um sinal de boa sorte,
um pulsar que não tem final.

I.R.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

das correntes


Foto: Luiz Bhering

elas vêm como ondas,
como massa encefálica,
emaranhado intestinal...
corredeira terminando
em cachoeira,
prendendo minha atenção,
nublando meu juízo,
minha percepção,
me amarrando ao que penso
ou ao que não digiro,
enquanto dirijo em zigue-zague,
procurando uma falha num elo,
no meio do relevo,
o que não revelo...
quero ser a outra corrente,
quero fluir sem obstáculos,
estender meus tentáculos
em direção ao desconhecido.

I.R.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

olimpismo

Foto: Bruno Kaiuca

enquanto a grécia é no rio
e o espírito olímpico paira
sobre as águas podres da guanabara,
meninas continuam sequestradas na nigéria,
seres humanos, escravizados,
continuam produzindo roupa
e colhendo cacau...
pessoas continuam morrendo
na guerra síria
e nas águas manchadas de sangue
às margens da europa...
enquanto a grécia é no rio,
a democracia brasileira cambaleia,
e naufraga num mar de golpe
e de corrupção...
enquanto a grécia é no rio,
na esquina dos jogos olímpicos,
nosso pão e circo de quinze dias,
um ser humano ganha o pão de todos os dias
numa enorme lata de lixo,
às margens das águas podres da guanabara...
enquanto não desgrudamos da televisão.

I.R.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

no espírito

Foto: Kariane Pontes

se o que importa é a medalha,
se o que vale é a vitória,
não a o esforço e a batalha,
se só torço por vencedores,
por vendedores de falsas conquistas,
se aceito a trapaça,
na água, no tatame ou na pista,
eu não entendi o espírito da coisa...
sou medalha de ouro
no espírito de porco,
exorcizaram o espírito olímpico
deste meu corpo que não lhe pertence.

I.R.